Faltam Biólogos na SES/DF para fazer o monitoramento e controle dos vírus disseminados pelo mosquito Aedes aegypti

Faltam Biólogos na SES/DF para fazer o monitoramento e controle dos vírus disseminados pelo mosquito Aedes aegypti. A pergunta que fica é sempre a mesma, cadê as ações do Secretario de Saúde para proteger a população?

 

Já deveríamos ter um fronte de profissionais Biólogos  atuando contra essa epidemia que se alastra em Brasília. O correio Braziliense publicou uma reportagem ressaltando os mais de 700 sorotipos do vírus circulantes no DF.

Ressalta-se na entrevista  “Alguns dos diagnósticos passam pelo Núcleo de Virologia do Laboratório Central (Lacen-DF). O chefe da unidade, o biólogo especialista em medicina tropical Paulo Prado, acompanha os resultados pessoalmente. Hoje, é uma das pessoas que mais sabe sobre a situação virológica da cidade. Cresce a necessidade de mais pessoas para atuar no diagnóstico e liberação de laudos”.

fonte: CorreioBraziliense 07 de abril de 2016.

O diagnóstico é lento? O tratamento depende desse resultado?

A extração do material genético leva até 2 horas; o exame, mais uma hora. É uma metodologia rápida, mas, por causa do momento que estamos vivendo, demanda mais tempo. Não temos uma grande equipe. Há 40 pessoas no Núcleo de Virologia, mas apenas três executam o serviço. O resultado tem saído entre 3 e 4 dias. Temos recebidos, em média, 50 amostras de pacientes do DF para análise por dia. Além dessas, atendemos Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins. Já chegamos a receber 100 amostras de Mato Grosso e liberamos os resultados em 20 dias. O paciente é tratado enquanto analisamos o vírus causador da doença, independentemente da situação.

fonte: CorreioBraziliense 07 de abril de 2016.

th

Deixe seu comentário